sábado, 24 de dezembro de 2011

Resenha do livro 1 de Destino Íntimo, por Julia

A Julia foi a primeira participante do BookTour de Destino Íntimo, Uma Jornada ao Pulsar de Um Estranho. A resenha dela foi postada há pouco e agora os seguidores e leitores deste blog podem conferir aqui também.

Ela escreveu, o que chamaria, de uma nova sinopse no começo, amei, e prosseguiu com sua opinião.

Aproveito para agradecer a Julia pela participação e interesse

Vamos lá?


Depois de se dar conta que o amor da sua vida estava nos braços de outra – grávida – ela percebeu o quanto havia errado. Por causa do bebê, ele decidiu se casar com Betina e viver com ela todos os planos que os dois um dia haviam feito juntos. Percebera tarde demais o quanto Lipe significava para ela e se lamentava por isso, mas agora já não havia volta. Seguiria em frente e viveria como pudesse. Como qualquer garota que passa por problemas com pais, namorado e amigos, ela suportaria.

Quatro anos depois, em um dia que deveria ser como outro qualquer, ela percebe, ao acordar, que, a sua volta, restou apenas destruição. Nenhuma construção de pé, nem qualquer pessoa conhecida, nem uma única planta viva. O caos havia se instalado sobre a cidade, e tudo aquilo que fizera parte de sua vida já não existia mais. Apenas ela, sem saber por quê, sem um destino para onde ir, sem ter como fugir da desolação que se expandia dentro e fora de si. Nada de energia elétrica, nada de telefones, nem qualquer outra modernidade.

"De nada adianta gritar. Não existe ninguém para me ouvir ou responder. Tudo o que falo, berro é somente para mim. A impossibilidade de realmente deixar o ocorrido para trás dói tanto quanto o fato de ter perdido a todos que amo. É a morte rondando, perseguindo-me. O aroma cadavérico putrifica o ar. Uma ânsia grotesca invade meu infinito e um abismo se faz crescer diante dos pés. Sinto-me num labirinto, onde sou o centro que ninguém pode chegar ou resgatar. Será uma nova guerra? Um ataque alienígena? O fim do mundo? Alguma explicação tem de existir." (pág. 32)

Vagando sem rumo, ela decide ir ao encontro de Lipe, no Rio de Janeiro, onde agora ele morava. Mas, por qualquer cidade que passasse, a paisagem continuava a mesma: escombros e o cheiro de putrefação, com o qual ela já se acostumava. O homem, que acreditava ser o amor de sua vida, também não vivia mais.

Lutando para não desencontrar sua civilidade e sanidade, ela montou acampamento perto do mar, onde corria, cantava e dançava e, a fim de afugentar a tristeza e a solidão, estabeleceu uma rotina. Até que um rapaz aparece deitado sob sua “cama”. Após um breve momento de tensão, ele se apresenta como Léo e ela, como Luna. Juntos, partem em uma viagem aos quatro cantos do Brasil, tateando às cegas a nova realidade na qual se encontram, esbarrando com alguns poucos sobreviventes e descobrindo uma infinidade de poderes e desafios que agora os acompanham.

Destino Íntimo: uma jornada ao pulsar de um estranho, de Gisele Galindo, é energizante. A aventura, apesar de não nos deixar apreensivos, é tão cheia mistérios e ações que não há como não se envolver. O mundo novo e caótico que a autora criou nos deixa cheios de expectativas, querendo entender os “porquês” de tudo aquilo. A história é tão empolgante e frustrante ao mesmo tempo, que nos deixa com o coração na mão. A frustração, nesse caso, está longe de ser ruim; é ela que nos leva a querer mais, a buscar mais, e a chegar ao final totalmente embasbacados.

O primeiro livro da série Destino Íntimo é narrado, em sua maior parte, em primeira pessoa, por Luna, mas intercala narrações em terceira pessoa, mostrando o ponto de vista de outros personagens; essa variação pode ser confusa no começo, mas eu considerei ser um recurso genial utilizado pela autora. Entre os capítulos da história, aparece um ou outro mais fugaz, com pensamentos, percepções, idéias ou sonhos perdidos, que parecem sem nexo em meio a tantas outras coisas. E a idéia que Galindo vai implantando aos poucos em nosso entendimento nos deixa convictos do que se trata a história, o que, na verdade, nos deixa longe de estarmos preparados para aquele final. Por causa disso, quando cheguei ao epílogo, senti como se todo o ar tivesse sido aspirado de meus pulmões.

Senti falta de um pouco mais de individualidade em alguns dos personagens, algo que pudesse fazer com que me identificasse com eles, ou menos que pudesse identificá-los. Algumas das características não eram tão constantes, o que não me permitiu ter uma definição mais apropriada de suas personalidades. André, por exemplo, foi perfeitamente construído: seu jeitão irônico no início do livro, a verdade contida em suas palavras, e até os motivos da sua mudança, quando foi mostrada sua raiva cega; já Luna, tive minhas dúvidas: ela foi a garota rebelde, dando lugar à insegura, à forte, à decidida, ou misturando vários desses aspectos. Isso, porém, não reduz a qualidade da trama. O contexto é tão bem descrito que é possível compreendê-los e nos colocarmos em seus lugares, mesmo quando de suas variações, já que estão se redescobrindo e modificando.

O único ponto não tão positivo do livro foi que praticamente nenhuma das dúvidas que eu tinha foi sanada. Claro que, se não fosse assim, a maior parte do encanto do livro se perderia, pois tiraria o atrativo da possibilidade. Mas, poxa, agora terei que esperar pela continuação ainda mais ansiosamente.

Com uma escrita e criatividade impecáveis, junto à narrativa fluida e deliciosa, Gisele Galindo conquistou, com Destino Íntimo, mais uma fã. Uma história que ninguém pode deixar de conferir. Quem quiser conhecer um pouquinho mais, pode visitar o blog da série:http://seriedestinointimo.blogspot.com/



Ainda não viu o post original e quer conferir? Então, acesse CONJUNTO DA OBRA!


-----;)--------- Plágio é crime e está previsto no artigo 184 do Código Penal. Crie, seja feliz!!!!
 

5 comentários:

Renato Klisman disse...

Hum... achei essa resenha meio confusa... o.O
Mas tah valendo... :P
Eu também costumo criar eu mesmo as sinopses para os livros... hahah!

Gisele Galindo ou simplesmente Gi. disse...

Oi, Renato!

Pois é, achei interessante o blogueiro criar uma sinopse para o livro, hehe.

Estou no aguardo da sua... ;)

bjs***

Rapha disse...

Eu gostei da resenha da Julia, nao sei se é porque já li o livro, mas nao achei confusa nao hehehehe

Julia G disse...

Gi, que bom que gostou. Eu normalmente escrevo uma "sinopse" com minhas próprias palavras, acho que fica mais fácil para expressar minhas opiniões em seguida. Eu me apaixonei pelo livro, estou ansiosíssima pela continuação.

Um beijo!

Gisele Galindo ou simplesmente Gi. disse...

Meninas, obrigada pelos comentários!

Então, Rapha, vai saber... rs, cada um tem uma leitura, né?!

Julia, achei muito, muito interessante mesmo. Gostei demais do seu estilo ;)

Ah, e estou louca para lançar o livro 2, hehe. Espero que gostem dele também.

bjs***